Mahayana: O Grande Veículo

Mahayana

A tradição Mahayana é a maior das duas principais tradições do budismo hoje existente, o outro ser que da Theravāda escola. De acordo com os ensinamentos das tradições Mahayana, “Mahayana” também se refere ao caminho de buscar a iluminação completa, para o benefício de todos os seres sencientes, também chamados de “Bodhisattvayāna”, ou ” Bodhisattva veículo. [1] [7]

Mahayana ( sânscrito : महायान Mahayana, literalmente, o “Grande Veículo”) é um dos dois principais ramos existentes do Budismo e um prazo para a classificação de filosofias budistas e prática. Budismo Mahayana originado na Índia , [1] e está associado a mais antiga seita histórica do budismo, o Mahasamghika . [2] [3] [4] [5] [6]

No curso de sua história, o Budismo Mahayana se espalhou da Índia para vários outros países asiáticos, como China, Japão, Vietnã, Coréia,Singapura , Taiwan , Nepal ,Tibete, Butão e Mongólia . Principais tradições do budismo mahayana hoje incluem Zen / chan , Terra Pura , Tiantai , e Nichiren , bem como os esotéricos budistas tradições de Shingon , Tendai e Budismo Tibetano .

Etimologia

De acordo com Jan Nattier, o Mahayana prazo (“Grande Veículo”) era originalmente um sinônimo de honra para Bodhisattvayāna (“Bodhisattva Veículo”) [8] – o veículo de um bodhisattva busca de buda,  para o benefício de todos os seres sencientes [1] A Mahāyāna termo foi, portanto, formado de forma independente em uma data próxima, como um sinônimo para o caminho e os ensinamentos dos bodhisattvas. Desde que foi simplesmente um termo honorário para Bodhisattvayāna, a criação do Mahāyāna termo e sua aplicação à Bodhisattvayāna não representam um ponto de viragem significativa no desenvolvimento de uma tradição Mahayana. [8]

Os textos mais antigos Mahayana usam frequentemente o termo Mahayana como um sinônimo para Bodhisattvayāna, mas o termo Hinayana é relativamente raro nas fontes mais antigas. A dicotomia entre presumida Mahayana e Hinayana pode ser enganosa, como os dois termos não foram realmente formada em relação um ao outro na mesma época. [9]

Entre as referências mais antigas e mais importantes para o Mahāyāna prazo são aquelas que ocorrem no Sutra de Lótus (sânsc. Saddharma Pundarika Sutra) datados entre o século 1 aC e 1 º século da era cristã. [10] Seishi Karashima sugeriu que o termo usado pela primeira vez em uma versão anterior Gandhari Prakrit versão do Sutra de Lótus não foi o Maaiana prazo, mas a palavra mahajana Prakrit no sentido de mahājñāna (ótimo saber). [11] Numa fase posterior, quando a palavra cedo Prakrit foi convertido em sânscrito, este mahajana, ser foneticamente ambivalente, foi equivocadamente convertidos em Mahayana, possivelmente devido ao que pode ter sido um duplo sentido na famosa parábola da casa em chamas , que fala de três veículos ou carrinhos (Skt:Yana). [12] [13]

História

No início Budismo Mahayana

Budistas antigas stupas em Borobodur,Indonésia .

No início estátua do Buda de Gandhāra , primeiro-segundo século EC.

Origens da Mahāyāna

As origens do Mahayana ainda não estão completamente esclarecidos. [14] Os primeiros pontos de vista do Budismo Mahayana no Ocidente assumiu que existiu como uma escola separada em concorrência com os chamados “Hinayana” escolas. Devido à veneração dos budas e bodhisattvas, Mahayana foi muitas vezes interpretada como uma mais devocional, estava inspirado forma de budismo, com supostas origens na stupa veneração, [15]ou fazendo paralelos com a história da União Europeia Reforma Protestante . Esta opinião foi amplamente descartada nos tempos modernos à luz de uma gama muito maior de textos mais antigos que estão agora disponíveis. [16] Estes textos mais antigos Mahayana frequentemente retratam a estrita observância do caminho de um bodhisattva, e engajamento no ideal ascético de um vida monástica no deserto, semelhante às ideias expressas no Sūtra Rhinoceros . [17] As visões antigas de Mahayana como uma seita separada leigos de inspiração e devoção são agora amplamente descartado como equivocada e errada em todos os aspectos. [18]

A mais antiga evidência textual de “Mahayana” vem de sutras originários em torno do início da era comum. Jan Nattier notou que em alguns dos textos mais antigos, como o Mahayana Sūtra Ugraparipṛccha usar o termo “Mahayana”, ainda não há diferença doutrinária entre Mahāyāna neste contexto e as primeiras escolas, e que “Mahayana” se refere antes à rigorosa emulação de Gautama Buda no caminho de um bodhisattva procura tornar-se um buda completamente iluminado. [19]

Também não há evidências de que Mahāyāna jamais se referiu a uma escola formal separado ou seita do budismo, mas sim que ela existia como um determinado conjunto de ideais e, posteriormente, doutrinas, por bodhisattvas. [19] Paul Williams também observou que o Mahayana nunca tinha nem nunca tentou ter um separado Vinaya ou linhagem de ordenação das primeiras escolas do budismo , e, portanto, cada aderente Bhiksu ou bhikṣuṇī ao Mahayana formalmente pertencia a uma escola mais cedo. Isso continua hoje com a Dharmaguptaka linhagem ordenação no leste da Ásia, eo Mūlasarvāstivāda linhagem ordenação no budismo tibetano . Portanto Mahāyāna nunca foi uma seita separada rival das primeiras escolas. [20]

O monge chinês Yi Jing , que visitou a Índia no século 7 dC, distingue Mahāyāna de Hinayana da seguinte forma: [21]

Tanto a adotar um eo mesmo Vinaya, e eles têm em comum as proibições dos cinco delitos, e também a prática das Quatro Nobres Verdades . Aqueles que veneram os Bodhisattvas e lêem os sutras Mahayana são chamados os Mahayanists, enquanto aqueles que não executam são chamados os hinayanistas.

Grande parte da evidência existente cedo para as origens da Mahāyāna vem desde o início de traduções chinesas de textos Mahayana. Estes ensinamentos Mahayana foram primeiramente propagado em China por Lokaksema , o primeiro tradutor de Mahāyāna sutras em chinês durante o segundo século da era cristã.[22]

Uma estátua da prajnaparamita personificada, a partir de Singhasari , East Java ,Indonésia .

Primeiros sutras Mahayana

Alguns estudiosos quem? ] tradicionalmente considerados os primeiros sutras Mahayana para incluir as versões primeiras do Prajñaparamita série, juntamente com textos sobre Aksobhya Buda , que provavelmente foram escritas no século 1 aC, no sul da Índia. [23] [24] [25] Alguns sutras Mahayana foram traduzidos peloKuṣāṇa monge Lokaksema , que veio à China a partir do reino de Gandhāra . Suas primeiras traduções para chinês foram feitos na capital chinesa de Luoyang . entre 178 e 189 dC [22] Alguns sutras Mahayana traduzidos durante o segundo século da era cristã incluem o seguinte: [26]

  1. Aṣṭasāhasrikā prajnaparamita-sutra
  2. Vimalakirti Nirdesa Sūtra
  3. Maior Sukhavativyuha Sūtra
  4. Akṣobhyatathāgatasyavyūha Sūtra
  5. Ugraparipṛccha Sūtra
  6. Mañjuśrīparipṛcchā Sūtra
  7. Drumakinnararājaparipṛcchā Sūtra
  8. Surangama Samādhi Sūtra
  9. Bhadrapala Sūtra
  10. Ajātaśatrukaukṛtyavinodana Sūtra
  11. Kāśyapaparivarta Sūtra
  12. Lokānuvartana Sūtra
  13. Um sūtra cedo ligado ao Avatamsaka Sutra

Alguns destes foram provavelmente composta no norte da Índia no século 1 dC. [27] Assim, os estudiosos geralmente pensam que os primeiros sutras Mahayana foram compostas principalmente no sul da Índia, e mais tarde a atividade de escrever escrituras adicionais continuou no norte. [28] No entanto, a suposição de que a presença de um corpo crescente de Mahāyāna escrituras implica a existência contemporânea de movimento religioso distinto chamado “Mahayana”, pode ser um passo em falso grave. [29]

Budista Mahayana tríade, incluindo Bodhisattva Maitreya, o Buda, e Bodhisattva Avalokitesvara . 2o-3o século EC, Gandhāra .

Primeiras inscrições

A inscrição mais antiga pedra contendo uma formulação reconhecidamente Mahāyāna e uma menção à Amitabha Buda foi encontrado no subcontinente indiano, em Mathura , e datado de cerca de 180 dC. Restos de uma estátua de um urso Buddha o Brahmi inscrição: “Made no ano 28 do reinado do reiHuvishka , … para o Buddha Amitabha “(Mathura Museum).

No entanto, esta imagem era em si extremamente marginal e isolado no contexto global do Budismo na Índia, no momento, e não teve consequências duradouras ou a longo prazo. [30] A evidência do nome “Mahayana” em inscrições indígenas no período anterior 5 º século é muito limitado em comparação com a multiplicidade de textos Mahayana transmitidos a partir da Ásia Central a China na época. [31] [32]

Estes pontos de vista de uma discrepância entre textos traduzidos e provas epigráfica assumir a presença de Mahayana como distinto dos “Hinayana” escolas. Esta visão tem sido amplamente refutada em bolsa mais recente carece de fontes? ], como Mahayana é agora reconhecida como uma tradição de trabalho no contexto das primeiras escolas budistas, e não como um movimento separado.

No início Budismo Mahayana

Durante o período de início de Budismo Mahayana, quatro tipos principais de pensamento desenvolvidas: Madhyamaka, Yogacara, Natureza Buda (Tathagatagarbha), e Logica budista, como o último e mais recente [33] Na Índia, as duas principais escolas filosóficas do Mahayana foram o Madhyamaka e a Yogacara mais tarde. [34]

Legado de início Budismo Mahayana

Formas fase anterior do Mahayana, tais como as doutrinas de Prajnaparamita, Yogacara, Buddha Nature, e os da Terra Pura ensinamentos ainda são populares na Ásia Oriental. Em alguns casos estas geraram novos desenvolvimentos, enquanto em outros eles são tratados de maneira sincrética mais tradicional. Paul Williams notou que essa tradição no Extremo Oriente, a primazia sempre foi dada ao estudo dos sutras. [35]

Final de Budismo Mahayana

Formas fase tardia do Budismo Mahayana na Índia são encontrados em grande parte nas escolas do Budismo Esotérico . Estes foram substituídos na Índia e na Ásia Central após o início do milênio pelo Islão ( o sufismo , etc) e do hinduísmo, e no sudeste da Ásia, o Budismo Theravada do Sri Lanka e do Islã. Eles continuam a existir em certas regiões do Himalaia. Em contraste com as tradições da Ásia Oriental, tem havido uma forte tendência no budismo tibetano e as tradições do Himalaia para aproximar os sutras indiretamente por meio de tratados exegéticos se em tudo.[35]

Doutrina

Amitabha Buda estátua de Borobodur ,Indonésia .

Poucas coisas podem ser dito com certeza sobre o Budismo Mahayana, [36] especialmente sua forma primitiva indiana, que não seja o budismo praticado na China, Vietnã, Coréia, Tibete, Japão e é o Budismo Mahayana. [37] Mahāyāna pode ser descrito como um coleção frouxamente de muitos ensinamentos com grandes doutrinas e expansiva que são capazes de coexistir simultaneamente. [38]

Mahāyāna constitui uma tradição inclusiva caracterizado pelo pluralismo e da adopção de novos sutras Mahayana , além dos anteriormente Agamatextos. Mahāyāna se vê como penetrando mais e mais profundamente no Buda Dharma . Há uma tendência em sutras Mahayana a considerar a adesão a estes sutras como a geração de benefícios espirituais maiores do que aqueles que surgem de ser um seguidor das abordagens não-Mahayana para Dharma. Assim, o Sūtra Śrīmālādevī afirma que o Buda disse que a devoção ao Mahayana é inerentemente superior em suas virtudes para o seguindo as shravaka ou pratyekabuddha caminhos. [39]

Os princípios fundamentais da doutrina Mahayana foram baseadas na possibilidade de libertação universal de sofrimento para todos os seres (daí o “Grande Veículo”) ea existência de budas e bodhisattvas incorporando Buddha Nature . A escola Terra Pura de Mahāyāna simplificar a expressão da fé, permitindo que a salvação a ser alternativamente obtida através da graça do Amitabha Buda, ter fé e dedicar-se a consciência de Buda . Este estilo de vida devocional do budismo tem contribuído grandemente para o sucesso do Mahayana na Ásia Oriental, onde os elementos espirituais tradicionalmente invocada atenção dos mantras, Buda e dharanis , e leitura de sutras Mahayana. No budismo chinês, a maioria dos monges, muito menos os leigos, prática da Terra Pura, alguns combinando-a com Chán (Zen). [40]

A maioria das escolas Mahayana acredita em bodhisattvas sobrenaturais que se dedicam à perfeições (paramita sânscrito), último do conhecimento (sânsc. sarvajñāna), ea libertação de todos os seres sencientes. No Mahayana, o Buda é visto como o ser, final mais alto, presente em todos os tempos, em todos os seres, e em todos os lugares, e os bodhisattvas vir a representar o ideal de excelência universal altruísta.

Bodhisattva Maitreya, o futuro sucessor de Gautama Buddha.Mosteiro Thikse, Ladakh .

Universalismo

Tradições Mahayana geralmente consideram que a realização do nível de arhat não é final. Isto é baseado em uma distinção doutrinária sutil entre o Mahayana e alguns pontos de vista contidos nas primeiras escolas budistas sobre as questões do Nirvana com o restante e Nirvana sem deixar vestígios . A posição Mahāyāna aqui é semelhante ao da escola no início do Mahasamghika carece de fontes ].

Algumas das primeiras escolas consideradas de que o Nirvana sem resto segue sempre o nirvana com restante (Buddhas primeiro atingir a iluminação e, em seguida, a “morte”, Mahaparinirvana ) e que o Nirvana sem resto é definitiva e que as tradições Mahayana considera que o Nirvana sem resto é sempre seguido por Nirvana com o restante carece de fontes? ] – o estado de realização de arhat não é considerada final, e deve ser sucedido por Bodhisattva carece de fontes ].

Esta distinção é mais evidente em relação preocupações doutrinárias sobre a capacidade de um Buda depois de Nirvana , que é identificado pelas primeiras escolas como Nirvana sem deixar vestígios. Entre as primeiras escolas, um buda completamente iluminado (sânscrito Samyaksambuddha) não é capaz de apontar diretamente o caminho para o Nirvana após a morte. Alguns quem? ] escolas Mahayana no entanto, afirmam que uma vez por Buddha completamente iluminado (sânscrito Samyaksambuddha) surge, ele ou ela continua a directa e activamente apontar o caminho para o Nirvana até que não haja seres que ficaram na samsāra carece de fontes ]. Consequentemente, algumas escolas Mahayana falar de um bodhisattva deliberadamente abster-se de Buda. [41] As Sutra de Lótusafirma que parinirvana do Buda Shakyamuni é um expediente, e que ele realmente permanece no mundo para ensinar e guiar os seres vivos. [42] É por isso queBudismo de Nitiren Daishonin diz respeito Sakyamuni como o Buda Eterno . [43]

As primeiras escolas detidos que Maitreya será o Buddha próximo a reencontrar o caminho para o Nirvana, quando os ensinamentos de Gautama Buda são esquecidas carece de fontes ]. Em contraste, algumas escolas Mahayana quem? ] sustentam que Maitreya será o manifesto próximo Buda neste mundo e vai apresentar o Dharma quando ele não existe mais, mas quando ele morre (ou entra Mahaparinirvana), ele vai também continuar a ensinar o Dharma de todos os tempos carece de fontes ]. Além disso, algumas escolas Mahayanaquem? ] argumentam que, embora seja verdade que, para este sistema-mundo, Maitreya será o próximo Buda a se manifestar, há um número infinito de sistemas-mundo, muitos dos quais têm budas ativo ou bodhisattvas manifestando carece de fontes ].

Porque as tradições Mahayana afirmar que, eventualmente, todo mundo vai alcançar a iluminação completa (em sânscrito anuttara Samyaksambodhi), o Mahayana é rotulado universalista, ao passo que a postura das escrituras primeiros é que alcançar o nirvana depende do esforço e não é pré-determinado. [44]

Avalokitesvara , o Bodhisattva da compaixão. Ajanta Caves ,Maharastra , na Índia.

Bodhisattva

A tradição Mahayana defende que busca apenas a libertação do sofrimento e da realização do Nirvana é muito estreita de uma aspiração, porque lhe falta a motivação dos ativamente resolver a libertar todos os outros seres sencientes do Samsāra . Aquele que se envolve nesse caminho é chamado de bodhisattva.

A característica definidora de um bodhisattva é a bodhichitta , a intenção de atingir o estado de Buda onisciente ( Trikaya ) o mais rápido possível, para que se possa beneficiar infinitos seres sencientes. Às vezes, o bodhisattva termo é usado de forma mais restritiva para se referir a esses seres sencientes sobre osmotivos . Como Ananda Coomaraswamy observa: “A parte mais essencial do Mahayana é sua ênfase sobre o ideal do Bodhisattva, que substitui a do arhat , ou fileiras antes dele “. [45] De acordo com os ensinamentos Mahayana, sendo um bodhisattva de alto nível envolve possuindo uma mente de grande compaixão esabedoria transcendente (sânsc. prajna) para perceber a realidade inerente vazio e origem dependente . Mahāyāna ensina que o praticante vai finalmente perceber a realização de Buda .

Seis perfeições (paramita sânscrito) são tradicionalmente exigidos para bodhisattvas:

  1. dana -paramita: a perfeição de dar
  2. Sila -paramita: a perfeição no comportamento e disciplina
  3. kṣānti -paramita: a perfeição da paciência
  4. virya -paramita: a perfeição do vigor e diligência
  5. Dhyāna -paramita: a perfeição da meditação
  6. prajñā -paramita: a perfeição da sabedoria transcendente

meios expeditos

Ver artigo principal: Upaya

Meios expeditos (sânscrito upaya) encontra-se no Sutra de Lótus , um dos primeiros sutras Mahayana datadas, e é aceito em todas as escolas Mahayana do pensamento. É um método eficaz que o despertar aids. Não significa necessariamente que algum método em particular é “falso”, mas é simplesmente qualquer meio ou artifício que é propício ao crescimento espiritual e conduz os seres ao despertar e nirvana . Meios expeditos poderia assim ser certas palavras motivacionais para um ouvinte específico ou mesmo o nobre caminho óctuplo si. Básico Budismo (o que chamaríamos de Mahāyāna Sravakayana ou Pratyekabuddhayana ) é um método conveniente para ajudar as pessoas a começar o caminho budista nobre e avançar bastante longe. Mas o caminho não é totalmente atravessado, de acordo com algumas escolas Mahayana, até que o praticante tem feito esforços para atingi a iluminação e para a libertação de todos os outros seres sencientes do sofrimento.

Alguns estudiosos afirmam que o exercício dos meios expeditos, “a capacidade de adaptar uma mensagem para o público, é também de enorme importância no Cânone em Pali.” [46] Na verdade o termo Pāli upaya-kosalla ocorre no Cânone em Pali , no Sutta Sangiti do Nikāya Digha. [47]

Libertação

“Devocional” Mahāyāna desenvolveu uma cosmografia rica, com vários Budas e bodhisattvas residente em reinos paradisíacos. O conceito de os três corpos (Trikaya) suporta essas construções, fazendo com que o próprio Buda uma figura transcendental. Dr. Guang Xing descreve o Buda Mahāyāna como “uma divindade onipotente dotada de inúmeros atributos e qualidades sobrenaturais … [Ele] é descrita quase como uma divindade onipotente e todo-poderoso”. [48]

Sob várias condições, o Buda reinos preside poderia ser alcançado por devotos após a sua morte assim, quando renascer, eles poderiam se esforçar para o estado de Buda nas melhores condições possíveis. Dependendo da seita, essa salvação “paraíso” pode ser obtido por imagem, fé, ou às vezes até pela simples invocação do nome do Buda. Esta abordagem para a salvação está na origem do apelo de massa do budismo devocional, especialmente representada pela Terra Pura (净土宗).

Este cosmografia rico também permitiu Mahāyāna ser bastante sincrética e acolher pessoas de outras religiões ou divindades. Várias origens têm sido sugeridas para explicar o seu aparecimento, tais como “populares hindus cultos devocionais ( bhakti ) e persas e greco-romana teologias, que filtradas para a Índia do noroeste “. [49]

natureza de Buda

O Buda ladeada por bodhisattvas . Gruta 4, Ajanta Caves e Maharastra , na Índia.
Ver artigo principal: natureza de Buda

O ensino de uma ” natureza de Buda “(em sânscrito tathagatagarbha) pode basear-se na” mente brilhante “conceito encontrado nas Āgamas . A idéia essencial, articulada nos sutras natureza de Buda, mas não aceito por todos os Mahayanists, é que nenhum ser é, sem uma ligação escondida, mas indestrutível interior para o despertar de bodhi e que esta ligação é um elemento incriado (dhatu) ou princípio interior profundo cada ser, que constitui o imortal, como diamante “essência de si”. [50] O Mahaparinirvana Sūtra afirma: “A essência do Ser (Atman) é a natureza de Buda sutil …” enquanto o mais tarde Lankavatara Sūtra afirma que a natureza de Buda pode ser tomado como auto (Atman), mas não é. Na classe de sutras natureza de Buda, a palavra “eu” (atman) é usado de uma forma definida e específica para esses sutras. (Veja Atman (budismo) .)

Segundo alguns estudiosos, a natureza de Buda discutido em alguns sutras Mahayana não representa um eu substancial (Atman), mas sim, é uma linguagem positiva e expressão de vazio (shunyata) e representa a potencialidade para perceber o estado de Buda por meio de práticas budistas. [51 ] É o “verdadeiro eu”, em que representa o aspecto inato do indivíduo que faz atualizando a personalidade final possível.

O real “ver e conhecer” desta essência Buddha (Buddha-dhatu, co-terminous com o Dharmakaya ou auto carece de fontes? ] de Buda) é dito para inaugurar libertação nirvânico. Esta essência de Buda ou “natureza búdica” é indicado para ser encontrado em cada pessoa, fantasma, deus e os seres sencientes. Na natureza de Buda sutras, o Buda é retratado como descrever a essência de Buda como incriado, imortal e, finalmente, além da apreensão racional ou conceptualização. No entanto, é este já real e presente, elemento oculto interna de vigília (bodhi) que, de acordo com a natureza de Buda sutras, solicita os seres buscam a libertação do sofrimento mundano, e permite-lhes atingir a felicidade imaculada que está no cerne de sua estar. Uma vez que os véus de pensamentos negativos, sentimentos e comportamentos insalubres (as Klesas ) são eliminados da mente e do caráter, a habitação princípio Buddha (Buddha-dhatu: natureza de Buda) pode brilhar unimpededly e transformar o vidente em um Buda.

Antes do período de estes sutras, Mahayana metafísica foi dominada pelos ensinamentos sobre o vazio , na forma de Madhyamaka filosofia. A linguagem utilizada por esta abordagem é principalmente negativa, e do gênero natureza de Buda de sutras pode ser visto como uma tentativa de ensinamentos budistas ortodoxos estado de origem dependente e sobre a realidade misteriosa do nirvana usando uma linguagem positiva em vez disso, para evitar que pessoas sendo recusados do budismo por uma falsa impressão de niilismo. Nesses sutras a perfeição da sabedoria do não-eu é indicado para ser o verdadeiro, o objetivo final do caminho é, então, caracterizados por uma série de linguagem positiva que tinha sido usada na filosofia indiana anteriormente por filósofos essencialistas, mas foi agora transmutado em um vocabulário novo budista que descrevia um ser que completou com sucesso o caminho budista. [52]

Uttaratantra (um exegética tratado sobre a natureza de Buda ) vê natureza de Buda não como causados ​​e condicionada (Samskrta), mas como eterna, sem causa, incondicionada e incapaz de ser destruído, embora temporariamente escondido dentro de seres mundanos por máculas adventícias. [53] De acordo com ao estudioso budista Dr. CD Sebastian, a referência Uttaratantra a um ser transcendental (Atma – paramita) deve ser entendida como “a essência original do universo,” [54] , portanto, universal e imanente essência da natureza de Buda é o mesmo ao longo do tempo e no espaço. [55]

Mahāyāna escrituras

Estátua do Buda comDharmacakra Mudra , simbolizando o seu ensinamento da. Dharma Sarnath , Varanasi .

Mahāyāna e o Āgamas

Ver artigo principal: sutras Mahayana

Budismo Mahayana leva os ensinamentos básicos de Buda como registrado nas escrituras iniciais como ponto de partida de seus ensinamentos, tais como aqueles sobre karma e renascimento, anatman , vazio , originação dependente e as Quatro Nobres Verdades . Mahāyāna budistas no leste da Ásia, tradicionalmente estudado estes ensinamentos nos Āgamas preservados no cânone budista chinês . “Agama” é o termo usado pelas escolas budistas tradicionais na Índia, que empregados sânscrito para seu cânone básico. Estes correspondem aos Nikayas utilizadas pela escola Theravada. Os Āgamas sobreviventes na tradução chinesa pertencem a pelo menos duas escolas, enquanto a maioria dos ensinamentos Agamas nunca foram traduzidos para o tibetano.

Além de aceitar as escrituras essenciais das várias primeiras escolas budistas como válido, o Budismo Mahayana também mantém grandes coleções de sutras adicionais que não são utilizados ou reconhecidos pela escola Theravada. No passado, estes também não foram reconhecidos por alguns indivíduos dentro das primeiras escolas budistas. Em outros casos, as comunidades budistas foram divididos ao longo destas linhas doutrinais. No Budismo Mahayana, os sutras Mahayana são frequentemente dada maior autoridade do que os Āgamas. O primeiro desses escritos Mahāyāna específicos foram escritos provavelmente por volta do século 1 aC [56] ou primeiro século da era cristã. [57]

Giros da Roda do Darma

Que remonta pelo menos ao Sūtra Saṃdhinirmocana é uma classificação do corpus do budismo em três categorias, com base nos modos de compreender a natureza da realidade, conhecidos como os ” Três Giros da Roda do Dharma “. De acordo com este ponto de vista, havia três tais “voltas”: [58]

  1. Na primeira curva, o Buda ensinou as Quatro Nobres Verdades em Varanasi para aqueles na Sravaka veículo. Ela é descrita como maravilhosa e maravilhoso, mas que exigem interpretação e ocasionando controvérsias. [59] As doutrinas da primeira curva são exemplificados na Pravartana Dharmacakra Sūtra . Essa mudança representa a primeira fase dos ensinamentos budistas e do primeiro período na história do budismo.
  2. No segundo giro, o Buda ensinou os ensinamentos Mahayana para os bodhisattvas, ensinando que todos os fenômenos não têm essência, não decorrente, não passando, são originalmente em repouso e, essencialmente, na cessação. Essa mudança também é descrita como maravilhosa e maravilhoso, mas que exige interpretação e ocasionando controvérsias. [59] Doutrina da segunda curva é estabelecida nos ensinamentos Prajnaparamita, coloque primeiro a escrever por volta de 100 aC. Em escolas filosóficas indianas, é exemplificado pela escola Madhyamaka de Nāgārjuna .
  3. No terceiro giro, o Buda ensinou os ensinamentos semelhantes ao segundo giro, mas para todos nos três veículos, incluindo todos os Sravakas e pratyekabuddhas e bodhisattvas. Estes foram feitos para ser completamente ensinamentos explícitos em seus detalhes inteiro, para que interpretações não seria necessário, e controvérsia não ocorreria. [59] Estes ensinamentos foram estabelecidos pelo Sūtra Saṃdhinirmocana, logo no primeiro ou segundo século da era cristã. [60 ] Nas escolas indígenas filosóficos, na terceira curva é exemplificado pela escola Yogacara de Asanga e Vasubandhu .

Algumas tradições do budismo tibetano considerar os ensinamentos do Budismo Esotérico e Vajrayana ser o terceiro giro da Roda do Dharma. Professores tibetanos, particularmente do Gelugpaescola, consideram o segundo giro como o ensinamento mais elevado, devido à sua interpretação particular da doutrina Yogacara. Os Buddha Nature ensinamentos são normalmente incluídos na terceira curva da roda. A tradição chinesa tem um esquema diferente.

O estudioso chinês T’ien-T’ai acreditava que o Buda ensinou ao longo de cinco períodos [61] . Estes são:

  1. O Período de guirlanda de flores [62] .
  2. O Período Agama [63] .
  3. O período correto e Igualdade (Sutras Mahayana provisórios, incluindo a Amida, Mahavairochana e Sutras Vimalakirti) [64] .
  4. O Período de Sabedoria (Sutras Perfeição de Sabedoria) [65] .
  5. O Período de Lótus e Nirvana (quando Sakyamuni ensinou a partir do ponto de vista da sua Iluminação) [66] .

Mahāyāna e Início do cânone

Estudiosos notaram ¿Qué muitas Idéias Mahayana principais estao intimamente ligados TEXTOS EAo Primeiros fazer budismo. O Trabalho seminal de Filosofia Mahayana, Nagarjuna Mūlamadhyamakakārikā, menciona Katyayana o cânone não sutra (SA 301) Pelo Nome, e PoDE Ser hum extenso Comentário Sobre ESSE Trabalho. [67] Nāgārjuna sistematizou uma Madhyamaka Escola de Filosofia Mahayana. Elementos PoDE ter Chegado uma SUAS Posições uma Partir de hum Desejo de alcançar UMA Exegese coerente da doutrina do Buda Como Registrado nenhuma Cânone. A seus olhos, o Buda não era apenas um precursor, mas o próprio fundador do sistema Madhyamaka. [68] Nāgārjuna também se referiu a uma passagem no cânon sobre “consciência nirvânica” em dois trabalhos diferentes. [69]

Yogacara, a escola Mahayana outro proeminente na dialética com a escola Madhyamaka, deu um significado especial para Lesser Discurso do cânone sobre o Vazio (MA 190). [70] A passagem lá (o que o próprio discurso enfatiza) é frequentemente citado em textos mais tarde Yogacara como uma verdadeira definição do vazio. [71] De acordo com Walpola Rahula, o pensamento apresentado na escola Yogacara do Abhidharma-samuccaya é, inegavelmente, mais próximo ao do Nikayas Pali que é a do Abhidhamma Theravada. [72]

Ambos os Madhyamikas e os Yogacaras se viam como preservar o Caminho Budista do Meio entre os extremos do niilismo (tudo tão irreal) e substancialismo (entidades substanciais existentes). Os Yogacaras criticou os Madhyamikas para tendendo para o niilismo, enquanto os Madhyamikas criticou os Yogacaras para tendendo substancialismo. [73]

Principais textos Mahayana que introduzem os conceitos de bodhicitta e natureza de Buda também usar linguagem paralela para passagens no cânone que contém a descrição do Buda da “mente brilhante” e pode ter sido baseada nessa idéia. [74]

Mahāyāna e a escola Theravada

Papel do Bodhisattva

Nos antigos textos budistas, e como é ensinado pela escola Theravada moderno, o objetivo de se tornar um ensinamento de Buda em uma vida futura é vista como o objectivo de um pequeno grupo de indivíduos que se esforçam para beneficiar as gerações futuras, após os ensinamentos de Buda em curso, tenham sido perdidos , mas na idade atual, não há necessidade para a maioria dos praticantes de aspirar a esta meta. Textos Theravada, no entanto, sustentam que esta é uma meta mais perfeitamente virtuosa. [75]

Theravāda e Hinayana

Embora a escola Theravada é geralmente descrito como pertencente ao Hinayana, [76] [77] [78] [79] [80] alguns autores têm argumentado que não deve ser considerada como tal a partir da perspectiva Mahayana. Sua visão é baseada em uma compreensão diferente do conceito de Hinayana. Ao invés de sobre o termo como se referindo a qualquer escola do budismo que não aceitou o cânon Mahāyāna e doutrinas, como as referentes ao papel do Boddhisatva, [77] [79] os autores argumentam que a classificação de uma escola como “Hinayana” deve ser crucialmente dependente da adesão a uma posição específica fenomenológica. Eles ressaltam que, ao contrário da escola Sarvastivada agora extinta, que era o principal objecto de crítica Mahayana, o Theravada não reivindica a existência de entidades independentes (dharmas); nesta mantém a atitude do Budismo. [81] [82] [83] Os adeptos do Budismo Mahayana discordou da substancialista pensou nas Sarvastivadins e Sautrāntikas, e ao enfatizar a doutrina do vazio, Kalupahana sustenta que eles se esforçam para preservar o ensino precoce. [84] Os Theravadins também refutou as Sarvastivadins e Sautrāntikas (e outras escolas), alegando que suas teorias estavam em conflito com a não-substancialismo do cânon. Os argumentos Theravada são preservados em theKathāvatthu. [85] Assim, de acordo com este ponto de vista, nenhuma forma de real Hinayana Budismo sobrevive hoje.

Alguns números Theravadas contemporâneos têm indicado uma postura simpática para com a filosofia Mahayana encontrada em textos como o Sutra do Coração (em sânscrito Prajñaparamita hrdaya) e Estâncias Nāgārjuna’sFundamental sobre o Caminho do Meio (sânsc. Mūlamadhyamakakārikā). [86] [87]

Referências

  1. a b c Keown, Damien (2003), A Dictionary of Buddhism : p. 38
  2. ^ Warder, AK Indian Buddhism . 2000. p. 11
  3. ^ Ray, Reginald. Buddhist Saints in India: A Study in Buddhist Values and Orientations. 1999. p.426
  4. ^ Guang Xing. The Concept of the Buddha: Its Evolution from Early Buddhism to the Trikaya Theory. 2004. p. 65-6
  5. ^ Skilton, Andrew. Uma História Concisa do budismo. de 2004. p. 48
  6. ^ Williams, Jane, and Williams, Paul. Buddhism: Critical Concepts in Religious Studies, Volume 2. 2005. p. 189
  7. ^ “The Mahayana, ‘Great Vehicle’ or ‘Great Carriage’ (for carrying all beings to nirvana), is also, and perhaps more correctly and accurately, known as the Bodhisattvayana, the bodhisattva’s vehicle.” – Warder, AK (3rd edn. 1999). Indian Buddhism : p. 338
  8. a b Nattier, Jan (2003), A few good men: the Bodhisattva path according to the Inquiry of Ugra : p. 174
  9. ^ Nattier, Jan (2003), A Few Good Men: o caminho Bodhisattva de acordo com o Inquérito de Ugra: p. 172
  10. ^ Ven. Dr. W. Rahula, Theravada – Mahayana Buddhism
  11. ^ Williams, Paul. Buddhism. Vol. 3. The origins and nature of Mahāyāna Buddhism. Routledge.2004. p. 50.
  12. ^ I have assumed that, in the earliest stage of the transmission of the Lotus Sūtra , the Middle Indic forn jāṇa or * jāna (= Pkt < Skt jñāna , yāna ) had stood in these places … I have assumed, further, that the Mahāyānist terms buddha-yānā (“the Buddha-vehicle”), mahāyāna (“the great vehicle”), hīnayāna (“the inferior vehicle”) meant originally buddha-jñāna (“buddha-knowledge”),mahājñāna (“great knowledge”) and hīnajñāna (“inferior knowledge”). Karashima, Seishi (2001). Some Features of the Language of the Saddharma-puṇḍarīka-sūtra, Indo-Iranian Journal 44: 207-230
  13. ^ Williams, Paul. Buddhism. Vol. 3. The origins and nature of Mahāyāna Buddhism. Routledge.2004. p. 50
  14. ^ Akira, Hirakawa (translated and edited by Paul Groner) (1993. A History of Indian Buddhism . Delhi: Motilal Banarsidass: p. 260
  15. ^ Akira, Hirakawa (1993), A History of Indian Buddhism: From Sakyamuni to Early Mahayana : p.271
  16. ^ eg Williams, Mahayana Buddhism
  17. ^ “As scholars have moved away from this limited corpus, and have begun to explore a wider range of Mahayana sūtras, they have stumbled on, and have started to open up, a literature that is often stridently ascetic and heavily engaged in reinventing the forest ideal, an individualistic, antisocial, ascetic ideal that is encapsulated in the apparently resurrected image of “wandering alone like a rhinoceros.” Macmillan Encyclopedia of Buddhism (2004): p. 494
  18. ^ “One of the most frequent assertions about the Mahayana … is that it was a lay-influenced, or even lay-inspired and dominated, movement that arose in response to the increasingly closed, cold, and scholastic character of monastic Buddhism. This, however, now appears to be wrong on all counts.” Macmillan Encyclopedia of Buddhism (2004): p. 494
  19. a b Nattier, Jan (2003), A few good men: the Bodhisattva path according to the Inquiry of Ugra : p. 193-194
  20. ^ Williams, Paul (2008) Mahayana Buddhism: The Doctrinal Foundations : p. 4-5
  21. ^ Williams, Paul (2008) Mahāyāna Buddhism: The Doctrinal Foundations : p. 5
  22. a b “The most important evidence — in fact the only evidence — for situating the emergence of the Mahayana around the beginning of the common era was not Indian evidence at all, but came from China. Already by the last quarter of the 2nd century CE, there was a small, seemingly idiosyncratic collection of substantial Mahayana sutras translated into what Erik Zürcher calls ‘broken Chinese’ by an Indoscythian, whose Indian name has been reconstructed as Lokaksema.” Macmillan Encyclopedia of Buddhism (2004): p. 492
  23. ^ Akira, Hirakawa (translated and edited by Paul Groner) (1993. A History of Indian Buddhism . Delhi: Motilal Banarsidass: p. 263, 268
  24. ^ “The south (of India) was then vigorously creative in producing Mahayana Sutras” – Warder, AK (3rd edn. 1999). Indian Buddhism : p. 335.
  25. ^ Akira, Hirakawa (translated and edited by Paul Groner) (1993. A History of Indian Buddhism . Delhi: Motilal Banarsidass: p. 253
  26. ^ Akira, Hirakawa (translated and edited by Paul Groner) (1993. A History of Indian Buddhism . Delhi: Motilal Banarsidass: p. 248-251
  27. ^ Akira, Hirakawa (translated and edited by Paul Groner) (1993. A History of Indian Buddhism . Delhi: Motilal Banarsidass: p. 252, 253
  28. ^ “The sudden appearance of large numbers of (Mahayana) teachers and texts (in North India in the second century AD) would seem to require some previous preparation and development, and this we can look for in the South.” – Warder, AK (3rd edn. 1999). Indian Buddhism : p. 335.
  29. ^ “But even apart from the obvious weaknesses inherent in arguments of this kind there is here the tacit equation of a body of literature with a religious movement, an assumption that evidence for the presence of one proves the existence of the other, and this may be a serious misstep.” –Macmillan Encyclopedia of Buddhism (2004): p. 493
  30. ^ “In other words, once nontextual evidence is taken into account the picture changes dramatically. Rather than being datable to the beginning of the common era, this strand of Mahayana Buddhism, at least, appeared to have no visible impact on Indian Buddhist cult practice until the 2nd century, and even then what impact it had was extremely isolated and marginal, and had no lasting or long-term consequences — there were no further references to Amitabha in Indian image inscriptions. Almost exactly the same pattern occurs (concerning Mahayana) on an even broader scale when nontextual evidence is considered.” – Macmillan Encyclopedia of Buddhism (2004): p. 493
  31. ^ “Certainly, we have for this period an extensive body of inscriptions from virtually all parts of India. … But nowhere in this extensive body of material is there any reference, prior to the fifth century, to a named Mahāyāna.”, Macmillan Encyclopedia of Buddhism (2004): p. 493
  32. ^ “What is particularly disconcerting here is the disconnect between expectation and reality: We know from Chinese translations that large numbers of Mahāyāna sutras were being composed in the period between the beginning of the common era and the fifth century. But outside of texts, at least in India, at exactly the same period, very different — in fact seemingly older — ideas and aspirations appear to be motivating actual behavior, and old and established Hinayana groups appear to be the only ones that are patronized and supported. , Macmillan Encyclopedia of Buddhism (2004): p. 494
  33. ^ Akira, Hirakawa (translated and edited by Paul Groner) (1993. A History of Indian Buddhism . Delhi: Motilal Banarsidass: p. 8,9
  34. ^ Harvey, Peter (1993). An Introduction to Buddhism. Cambridge University Press: p. 95.
  35. a b Williams, Paul (1989). Mahayana Buddhism : p.103
  36. ^ “There are, it seems, very few things that can be said with certainty about Mahayana Buddhism”, Macmillan Encyclopedia of Buddhism (2004): p. 492
  37. ^ “But apart from the fact that it can be said with some certainty that the Buddhism embedded in China, Korea, Tibet, and Japan is Mahayana Buddhism, it is no longer clear what else can be said with certainty about Mahayana Buddhism itself, and especially about its earlier, and presumably formative, period in India.”, Macmillan Encyclopedia of Buddhism (2004): p. 492
  38. ^ “It has become increasingly clear that Mahayana Buddhism was never one thing, but rather, it seems, a loosely bound bundle of many, and — like Walt Whitman — was large and could contain, in both senses of the term, contradictions, or at least antipodal elements.” – Macmillan Encyclopedia of Buddhism (2004): p. 492
  39. ^ Hookham, Dr. Shenpen, trans. (1998). The Shrimaladevi Sutra . Oxford: Longchen Foundation: p.27
  40. ^ Welch (1967). Practice of Chinese Buddhism . Harvard: p. 396
  41. ^ Cook (1977). Hua-Yen Buddhism . Pennsylvania State University Press
  42. ^ Lotus Sutra, Ch. 16, Lifespan of the Thus Come One
  43. ^ Nichiren the Buddhist Prophet, MASAHARU ANESAKI, p. 27, CAMBRIDGE HARVARD UNIVERSITY PRESS (1916)
  44. ^ Harvey, Peter (1995). The Selfless Mind. Curzon Press: p. 87.
  45. ^ Coomaraswamy, Ananda (1975). Buddha and the Gospel of Buddhism . Boston: University Books, Inc.. p. 229. LCCN 64056434 .
  46. ^ “It is true that the term translated ‘expounding in means’, upaya-kausalya, is post-canonical, but the exercise of expounding to which it refers, the ability to adapt one’s message to the audience, is of enormous importance in the Pali Canon.” Gombrich, Richard F. (1997). How Buddhism Began . Munshiram Manoharlal: p. 17
  47. ^ Walshe, M. trans. (1987). Thus Have I Heard: the Long Discourses of the Buddha . Wisdom: p.486
  48. ^ Guang Xing (2005). The Three Bodies of the Buddha: The Origin and Development of the Trikaya Theory . Oxford: Routledge Curzon: pp.1 and 85
  49. ^ Lowenstein, Tom. The Vision of the Buddha
  50. ^ Nirvāṇa Sūtra
  51. ^ Heng-Ching Shih, The Significance Of “Tathagatagarbha”—A Positive Expression Of “Sunyata”.
  52. ^ King, Sallie B. The Doctrine of Buddha-Nature is impeccably Buddhist : pp. 174-179.
  53. ^ Sebastian, Professor CD (2005), Metaphysics and Mysticism in Mahayana Buddhism . Delhi: Sri Satguru Publications: p. 268
  54. ^ Sebastian, Professor CD (2005), Metaphysics and Mysticism in Mahayana Buddhism . Delhi: Sri Satguru Publications: p. 151; cf. also p. 110
  55. ^ Sebastian, Professor CD (2005), Metaphysics and Mysticism in Mahayana Buddhism . Delhi: Sri Satguru Publications: p. 278
  56. ^ Akira, Hirakawa (translated and edited by Paul Groner) (1993). A History of Indian Buddhism . Delhi: Motilal Banarsidass: p. 252
  57. ^ Macmillan Encyclopedia of Buddhism (2004): p. 293
  58. ^ Kitagawa, Joseph Mitsuo (2002). The Religious Traditions of Asia: Religion, History, and Culture . Routledge. ISBN 0-7007-1762-5 : p. 80
  59. a b c Keenan, John (2000). The Scripture on the Explication of the Underlying Meaning . Numata Center. ISBN 1-886439-10-9 : p. 49
  60. ^ Powers, John (1993), Hermeneutics and tradition in the Saṃdhinirmocana-sūtra , Brill Academic Publishers, pp. 4–11, ISBN 90-04-09826-7
  61. ^ Soka Gakkai Dictionary of Buddhism, ‘Five Periods’
  62. ^ Soka Gakkai Dictionary of Buddhism, ‘Five Periods’
  63. ^ Soka Gakkai Dictionary of Buddhism, ‘Five Periods’
  64. ^ Soka Gakkai Dictionary of Buddhism, ‘Five Periods’
  65. ^ Soka Gakkai Dictionary of Buddhism, ‘Five Periods’
  66. ^ Soka Gakkai Dictionary of Buddhism, ‘Five Periods’
  67. ^ Kalupahana, David (2006). Mulamadhyamakakarika of Nagarjuna. Motilal Banarsidass: p. 5.
  68. ^ Lindtner, Christian (1997). Master of Wisdom. Dharma Publishing: p. 324.
  69. ^ Lindtner, Christian (1997). Master of Wisdom. Dharma Publishing: p. 322. Lindtner says that Nāgārjuna is referencing the DN.
  70. ^ Nagao, Gadjin M.; Kawamura, Leslie S., trans. (1991). Madhyamika and Yogachara. Albany: SUNY Press: p. 53.
  71. ^ Nagao, Gadjin M.; Kawamura, Leslie S., trans. (1991). Madhyamika and Yogachara. Albany: SUNY Press: p. 200.
  72. ^ Dan Lusthaus, Buddhist Phenomenology. Routledge, 2002, page 44, note 5. Lusthaus Zenchama a atenção para Rahula eo Taming of the Bull.
  73. ^ Harvey, Peter (1993). An Introduction to Buddhism. Cambridge University Press: p. 106.
  74. ^ Harvey, Peter (1989). Consciousness Mysticism in the Discourses of the Buddha. In Werner, Karel ed., The Yogi and the Mystic. Curzon Press: p. 97.
  75. ^ Harvey, Peter (2000). An Introduction to Buddhist Ethics . Cambridge University Press: p. 123.
  76. ^ Google Books
  77. a b Gombrich, Richard Francis (1988). Theravāda Buddhism : P.83
  78. ^ Collins, Steven. 1990. Selfless Persons: Imagery and Thought in Theravāda Buddhism . P.21
  79. a b Gellner, David N. (2005). Rebuilding Buddhism : P.14
  80. ^ Swearer, Donald (2006). Theravada Buddhist Societies. In: Juergensmeyer, Mark (ed.) The Oxford Handbook of Global Religions : P.83
  81. ^ Hoffman, Frank J. and Mahinda, Deegalle (1996). Pali Buddhism. Routledge Press: p. 192.
  82. ^ King, Richard (1999). Indian Philosophy: An Introduction to Hindu and Buddhist Thought.Edinburgh University Press: p. 86.
  83. ^ Nyanaponika, Nyaponika Thera, Nyanaponika, Bhikkhu Bodhi (1998). Abhidhamma Studies: Buddhist Explorations of Consciousness and Time. Wisdom Publications: p. 42.
  84. ^ Kalupahana, David (2006). Mulamadhyamakakarika of Nagarjuna. Motilal Banarsidass: p. 6.
  85. ^ Kalupahana, David (2006). Mulamadhyamakakarika of Nagarjuna. Motilal Banarsidass: p. 24.
  86. ^ Lopez, Donald S. and Dge-ʼdun-chos-ʼphel (2006). The Madman’s Middle Way: Reflections on Reality of the Tibetan Monk Gendun Chopel. University of Chicago Press: p. 24.
  87. ^ Gil Fronsdal, in Tricycle, posted online on November 8, 2007

[ editar ]Notas

  • “Mahayana”. Encyclopædia Britannica . Encyclopædia Britannica. 2002.

Leitura adicional

  • Beal (1871). Catena of Buddhist Scriptures from the Chinese
  • Kuroda, S. (1893). Outline of Mahayana
  • Lowenstein, Tom. The Vision of the Buddha . ISBN 1-903296-91-9
  • Lynch, Kevin (2005). The Way Of The Tiger: A Buddhist’s Guide To Achieving Nirvana . Yojimbo Temple
  • Murdoch (1910). History of Japan , volume i.
  • Schopen, G. “The inscription on the Kusan image of Amitabha and the character of the early Mahayana in India”, Journal of the International Association of Buddhist Studies 10 , 1990
  • Suzuki, DT (1914). In Paul Carus , ed., The Monist , volume xxiv,.
  • Suzuki, DT (1907). Outline of Mahayana Buddhism
  • Williams, Paul (1989). Mahayana Buddhism . Routledge.

Ligações externas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre