Arhat: Libertos do Mundo Convencional

Arhat

(Arahant )
Para o Arihant termo ou Arhat no jainismo, ver Arihant (jainismo) .

Arhat Ananda recitando Suttapitaka noPrimeiro Concílio Budista .

Traduções
Arhat
Pali : arahant
Sânscrito : arhat
Birmânia : ရ ဟန္ တာ
(IPA: [jəhàɴdà] )
China : 阿罗汉,罗汉
( pinyin : āluóhàn)
Japonês : 阿罗汉,罗汉
( romaji : Arakan)
Coreano : 아라한
( RR : arahan)
Tibetano : DGRA BCOM pa
Tailândia : อรหันต์
Vietnã : a-la-han

Etimologia Arhat (sânscrito : अर्हत arhat; Pali : arahant), no budismo , significa um praticante espiritual que tenha realizado alguns estágios elevados de realização. As implicações do termo variam de acordo com as respectivas escolas e tradições.

A interpretação exata e etimologia de palavras como arahant e arhat continua disputada. No Theravada tradição, e no início de PTS publicações, o arahant palavra ou arhat é interpretado como “um digno” [1] Este foi contestada por pesquisas mais recentes, resultante da comparação etimológica da Pali e início Jain Prakrit formas (arihanta e arahanta). [2] A etimologia alternativa é “inimigo destruidor” ou “vencedor dos inimigos”, que corresponde à definição Jain. [3] Esta última desafia a suposição de que a raiz da palavra é Pali araha (cf .. Sk arha); Richard Gombrich propôs uma etimologia de ari + hanta, trazendo a raiz que significa perto de Jina (um epíteto comumente usado de ambos os líderes do Jain religião e Buda ). [4]

arhat termo foi traduzido para idiomas do leste asiático foneticamente como um termo transliterado, exemplificada no chinês āluóhàn (cap.阿罗汉), muitas vezes abreviado para simplesmente Luohan (cap.罗汉). Entretanto, o tibetano prazo para arhat foi traduzido por significado do sânscrito. Esta tradução, DGRA BCOM aa, significa “aquele que tem destruído os inimigos de aflições”. [5] Esta tradução tibetana do sentido está em conformidade com a definição Jain também.

Arhat ocorre como arhattā no Rigveda [6] e como a primeira oferta de saudação na oração principal Jain, o Mantra Namokar . Baseado em uma possível etimologia sânscrita, arhant pode ser traduzido como imortal, já que “hant” em sânscrito significa a morte ou abate e “ar” é freqüentemente usado para a negação, o que implica “não pode ser morto” ou “além da morte” ou “imortal”. Isso se encaixa com a idéia filosófica central no budismo, a saber, “por perceber a verdadeira natureza da existência fenomenológica transcendemos o ciclo de vida e morte e se tornar imortal no sentido espiritual.” Um estado transcendental espiritual semelhante de ser é referido no conceituado Mantra Mahamrityaunjaya , que também ocorre no Rigveda e, muitas vezes chamado pelos sábios como o coração dos Vedas. A última palavra ocorre principalmente em budistas e jainistas textos , mas também em alguns Vaishnava funciona como o Bhagavata Purana . [7] Arhattā também ocorre no Sri Vaishnava Narada Pañcaratnam. [8]

Nas primeiras escolas budistas

Uma série de pontos de vista sobre a perfeição relativa de arhats existia entre os primeiros escolas budistas . Em geral, o Mahasamghika ramo, tais como osEkavyāvahārikas e Lokottaravādins e [9] Bahuśrutīyas e [10] Prajñaptivādins e Caitika [11] escolas, defendiam a natureza transcendental e supermundane do budas e bodhisattvas , ea falibilidade de arhats. [ 12] Os Caitikas, por exemplo, defendia o ideal do bodhisattva (bodhisattvayāna) sobre o do arhat ( Sravakayana ), e eles viram arhats como sendo falível e ainda sujeitos a ignorância. [13]

De acordo com AK Warder , os Sarvastivadins ocupou o cargo mesmo que o ramo Mahasamghika sobre arhats, considerando-os como imperfeito e falível. [14] OKāśyapīya escola também, a doutrina que arhats são falíveis e imperfeitas, semelhante à visão dos Sarvastivadins e as várias seitas Mahasamghika.[15] Os Kāśyapīyas acreditava que arhats não totalmente eliminados os desejos, que a sua “perfeição” é incompleto, e que é possível para eles recaída. [16]

No Budismo Theravada

Em Theravada Budismo, isso significa que qualquer um que atingiu o Despertar total e alcançou o Nirvana , incluindo o Buda . Um arahant é uma pessoa que tem destruído a ganância, ódio e ilusão – as raízes prejudiciais que fundamentam todos os grilhões – que ao falecimento não irá renascer em qualquer mundo, tendo totalmente cortado todos os grilhões que prendem uma pessoa ao samsara . Na Pali Canon , a palavra é usada às vezes como sinônimo de tathagata . [17]

Após realização de Nibbana, os cinco agregados (formas físicas, sentimentos / sensações, percepção, formações mentais e consciência) vai continuar a funcionar, sustentado pela vitalidade do corpo físico. Esta realização é denominado o elemento nibbana com um resíduo remanescente. Mas uma vez que o Arahant pass-distância e com a desintegração do corpo físico, os cinco agregados deixará de funcionar, portanto, acabar com todos os vestígios da existência no mundo fenomênico e, portanto, a libertação total da miséria do samsara. Seria, então, ser chamado de elemento nibbana sem resíduo restante. [18] Parinibbana ocorre com a morte de um Arahant.

Em Theravada Budismo o próprio Buda é identificado pela primeira vez como um arahant, assim como seus seguidores iluminados, porque eles são livres de todas as impurezas, sem ganância,ódio , ilusão , ignorância e desejo , falta de “ativos” que levam ao nascimento futuro, os arahant sabe e vê o real aqui e agora. Esta virtude mostra pureza inox, no valor de verdade, e a realização da final, nibbana . [19]

No Pali Canon, Ānanda afirma que ele sabe monásticos para alcançar nibbana em uma das quatro maneiras: ? pesquisa original ]

  • desenvolve uma visão precedida de serenidade (Pali: samatha-pubbaṇgamaṃ vipassanaṃ),
  • desenvolve uma serenidade precedido por insight (vipassana-pubbaṇgamaṃ samathaṃ),
  • desenvolve uma serenidade e uma visão de forma gradual (samatha-vipassanaṃ yuganaddhaṃ),
  • a mente torna-se tomado por excitação sobre o dhamma e, como conseqüência, desenvolve serenidade e abandona os grilhões (dhamma-UDDHACCA-viggahitaṃ manasam hoti). [20] [21]

Em Theravada, embora os Arahants atingiram os mesmos objetivos como o Buda, há algumas diferenças entre Arahants devido ao modo de sua prática. carece de fontes? ]

Na Pali Canon , a palavra ” tathagata “é por vezes utilizado como sinônimo de arahant, embora o primeiro normalmente se refere ao Buddha sozinho. [22]

Estes três seres despertos são classificados como Arahant: carece de fontes? ]

  1. Sammāsambuddha , normalmente chamado apenas de Buda, que descobre a verdade por si mesmo e ensina o caminho para o despertar para os outros.
  2. Paccekabuddha , que descobre a verdade por si mesmo, mas não tem a habilidade para ensinar aos outros.
  3. Savakabuddha , que recebem a verdade direta ou indiretamente a partir de um Sammāsambuddha.

Para aqueles que têm destruído a ganância e do ódio (no contexto sensorial), com algum resíduo de ilusão, são chamados Anagami (não retorna). Anagamis não irá renascer no mundo humano após a morte, mas para o céu das Moradas Puras , onde apenas vivem anagamis. Lá, eles vão atingir a plena iluminação.

No Budismo Mahayana

Grés escultura chinesa de um arhat, datada 907-1125. Construído em Hubei , e, agora, realizada no Museu Britânico , Londres

Mahāyāna budistas ver Buda-se como o ideal para o qual se deve procurar em nossas aspirações espirituais. No Budismo Mahayana, uma hierarquia de realizações gerais é previsto, com as realizações de arhats e Pratyekabuddha ser claramente separados, e abaixo da buddhas totalmente iluminados (sânsc. Samyaksambuddha), ou Tathagatas, como Gautama Buda . [23]

Em contraste com o objetivo de se tornar um buda completamente iluminado, a caminho de um Sravaka em sendo motivado pela busca de libertação pessoal do samsara, é freqüentemente retratado como egoísta e indesejável. [24] Existem ainda alguns textos Mahayana que consideram a aspiração de arhatship e libertação pessoal como um caminho fora. [25] Em vez de aspirar para arhatship, Mahayana budistas são instados em vez de tomar o caminho de um bodhisattva, e para não cair de volta para o nível de arhats e Sravakas. [23] Portanto, é ensinado que um Arhat deve continuar para se tornar um bodhisattva eventualmente. Se eles não conseguem fazê-lo na vida em que atingir a realização, eles vão cair em um profundo samadhi do vazio, daí até ser despertado e ensinado o caminho do bodhisattva, presumivelmente quando estiver pronto. De acordo com o Sutra de Lótus (sânsc.Saddharmapundarika Sutra), qualquer arhat verdade acabará por aceitar o caminho mahayana. [26]

Ensinamentos Mahayana geralmente consideram o caminho Sravaka ser motivado pelo medo de samsara, o que torna incapaz de aspirar a de Buda, e que, portanto, não têm a coragem ea sabedoria de um bodhisattva. [27] Bodhisattvas novatos são comparados aos Sravakas e arhats em vezes. No Aṣṭasāhasrikā prajnaparamita-sutra, existe uma conta de 60 bodhisattvas novatos que atingem arhatship apesar de si mesmos e os seus esforços no caminho do bodhisattva, porque eles não tinham capacidade de Prajna-paramita e meios hábeis a progredir como bodhisattvas em direção à iluminação completa (em sânscrito anuttara Samyaksambodhi). Isso é porque eles ainda são vistos como tendo apego inato eo medo de samsara. O Aṣṭasāhasrikā prajnaparamita-sutra compara essas pessoas para um pássaro sem asas gigante que não pode ajudar, mas cai para a terra a partir do topo do MonteSumeru . [27]

Budismo Mahayana viu o caminho Sravaka culminando em arhat ship como uma menor realização de iluminação completa, mas ainda atribui o devido respeito para arhats para suas realizações respectivos. Portanto, búdicos reinos são retratados como povoada por ambos os Sravakas e Bodhisattvas. [27] Longe de ser completamente desconsiderada, as realizações de arhats são vistos como impressionante, essencialmente porque transcendeu o mundo mundano. [28] budismo chinês e outro do leste tradições asiáticas têm historicamente aceito essa perspectiva, e grupos específicos de arhats são venerados como bem, como os Dezesseis Arhats , os Dezoito Arhats , e os quinhentos Arhats. [29] Os primeiros retratos famosos destes arhats foram pintados pelo monge chinês Guan Xiu ( chinês : 贯休; pinyin : Guànxiū) em 891 CE. Ele doou estes retratos para Shengyin Templo em Qiantang (atualHangzhou ), onde são preservadas com grande cuidado e respeito cerimonioso. [30]

Em alguns aspectos, o caminho para arhatship eo caminho para a iluminação completa, são vistos como tendo motivos comuns. No entanto, uma diferença distintiva é visto na doutrina Mahayana empurrando emocional e cognitivo não-apego às suas consequências lógicas. Deste, Paul Williams escreve que no Budismo Mahayana, “Nirvana deve ser buscada sem ser procurado (para si), ea prática deve ser feito sem praticado. O modo discursivo de pensamento não pode servir ao propósito básico de realização sem realização”. [ 31]

Ver também

Referências

  1. ^ Uma tradução Pali-a-oficial de Inglês “arahant” pode ser encontrado no Rhys Davids e Stede (1921-1925), p. 77. http://dsal.uchicago.edu/cgi-bin/philologic/getobject.pl?c.0:1:2081.pali
  2. ^ Richard Gombrich, 2009, que o Buda ensinou, Equinox: London, p. 57-8.
  3. ^ Veja Mitra, Rajendralala (ed) 1877 Lalitavistara ou Memórias do início da vida de Sakya Sinha, Calcutá:. Sociedade Asiática de Bengala, Inglês página apêndice 10 (658)http://books.google.com/books
  4. ^ Richard Gombrich, 2009, que o Buda ensinou, Equinox: London, p. 57.
  5. ^ Cozort, Daniel. Princípios exclusivos da Escola Caminho do Meio Consequence. Snow Lion Publications. 1998. p. 259.
  6. ^ (Hopkins, P. 202 o grande épico da Índia)
  7. ^ http://vedabase.net/a/arhat
  8. ^ (Vijnanananda, P. 203 Sri Narada Pancharatnam)
  9. ^ Baruah, Bibhuti. Seitas Budistas e sectarismo. de 2008. p. 446
  10. ^ Walser, Joseph Nāgārjuna em Contexto:. Budismo Mahayana e Cultura Indiana No início de 2005.. p. 218
  11. ^ Sree Padma. Barber, Anthony W. budismo no rio Krishna Valley of Andhra. De 2008. p. 44
  12. ^ Baruah, Bibhuti. Seitas Budistas e sectarismo. de 2008. p. 48
  13. ^ Sree Padma. Barber, Anthony W. budismo no rio Krishna Valley of Andhra. De 2008. p. 44
  14. ^ Warder, AK budismo indiano. 2000. p. 277
  15. ^ Warder, AK budismo indiano. 2000. p. 277
  16. ^ Warder, AK budismo indiano. 2000. p. 277
  17. ^ Peter Harvey, The Mind altruísta. Curzon Press 1995, página 227.
  18. ^ Bhikkhu Bodhi. “Dependente Transcendental Surgimento” . Acesso ao Insight. Arquivada a partir do original em 30 de março de . Retirado 2009/03/16.
  19. ^ Khantipalo (1989), “Introdução”. http://groups.yahoo.com/group/Buddhawaslike
  20. ^ ensino de Ananda em alcançar arhantship pode ser encontrado em AN 4,170. Traduções para este sutta pode ser encontrada em Bodhi (2005) pp 268-9, 439, e Thanissaro (1998).
  21. ^ Bodhi (2005), p. 268, traduz esta quarta maneira como: “a mente de um monge é apreendido por agitação sobre o ensino.” Thanissaro (1998) dá uma interpretação aparentemente contrário de: “A mente de um monge tem a sua inquietação sobre o Dhamma [Comm: as corrupções da percepção]. Sob controle” Assim, parece possível interpretar a excitação (Pali: UDDHACCA, ver Rhys Davids e Stede, 1921-1925 ) ou como algo que o arahant futuro usa para impulsionar sua busca do caminho ou algo que os controles arahant futuras, a fim de buscar o caminho.
  22. ^ Peter Harvey, The Mind Selfless Curzon Press 1995, página 227: “. Antes de focar em passagens-chave da tathagata, primeiro é necessário esclarecer que as pessoas a palavra refere-se ao Buda, muitas vezes usado quando se fala de si mesmo como um iluminado. sendo, ao invés de como a Gautama individual. Em geral, “Tathagata ‘é usado especificamente do Buda, aquele que descobre e proclama o caminho para nibbana (A.II.8-9, S.III.65-6), com o “tathagata, Arahat, perfeita e completamente enlighteneed um” em contraste com um “discípulo do Tathagata” (D.II.142). No entanto, “Tathagata” às vezes é usado de qualquer Arahat. SV327, por exemplo, discute a ‘habitação de um aluno “e que de um Tathagata, e explica a segunda, descrevendo as qualidades de um Arahat. No MI139-140 e 486-7, além disso, há uma alternância entre o discurso de um” tathagata “e de” uma monge cuja mente é liberada assim ‘, como se fossem equivalentes simples. Tathagata significa literalmente “assim-ido” ou “assim-vir”, provavelmente um significado que é “atingido-a-verdade” ou “cuja natureza-é- da verdade ‘. “
  23. um b Williams, Paul. budismo. Vol. 3. As origens ea natureza do Budismo Mahayana. Routledge. 2004. p. 119
  24. ^ Baruah, Seitas Bibhuti. budistas e Sarup sectarismo. & Son. 2008. p. 192
  25. ^ Yen Sheng. ortodoxos budismo chinês. Livros do Atlântico Norte. 2007. p. 149.
  26. ^ Yen Sheng. ortodoxos budismo chinês. Livros do Atlântico Norte. 2007. p. 163.
  27. um b c Williams, Paul. budismo. Vol. 3. As origens ea natureza do Budismo Mahayana. Routledge. 2004. p. 120
  28. ^ Powers, John. uma introdução concisa ao budismo tibetano. Snow Lion Publications. 2008. p. 36.
  29. ^ Leidy, Denise A Arte do budismo:. Uma introdução à sua história e significado de Shambhala.. 2009. p. 196
  30. ^ Susan Bush e Ilsio-yen Shih (1985). antigos textos chineses sobre Pintura. Cambridge, MA, e Londres. p. 314.
  31. ^ Williams, Paul. budismo. Vol. 3. As origens ea natureza do Budismo Mahayana. Routledge. 2004. p. 50

Leitura adicional

Joo, Bong Seok, “The Cult Arhat na China a partir do sétimo ao Séculos Décimo terceiro: Narrativa, Espaço de Arte e Ritual” (PhD diss, Princeton University, 2007.).

Kai-man. 1986. O Ilustrado 500 Lo Han. Hong Kong: publicações de arte preciosas.

Katz, Nathan. Imagens budistas da perfeição humana: O Arahant do Sutta Pitaka Comparado com o Bodhisattva eo Mahasiddha. Delhi: Motilal Banarsidass. 1982.

Kent, Richard K. “Representações dos Guardiães da Lei:. Lohan Pintura na China” Em Últimos Dias da Lei: Imagens do budismo chinês, Marsha Weidner, 183-213. Np: University of Hawaii Press, 1994.

Laufer, Berthold. “Os sonhos inspirados na Ásia Oriental”. O Jornal de Folclore Ameican 44, n. 172 (1931): 208-216.

Levine, Gregory PA, e Yukio Lippit. Awakenings: Pintura Figura Zen em Medieval Japan.New York: Sociedade Japonesa. 2007.

Little, Stephen. “Os Arhats na China e no Tibete”. Artibus Asiae 52 (1992): 255-281.

Seckel, Dietrich. “A ascensão do retrato na arte chinesa.” Artibus Asiae 53, n. 1/2 (1993): 7-26.

Tanaka, Ichimatsu. Pintura tinta japonesa: Shubun para Sesshu. New York: Weatherhill. 1972.

Tredwell, Winifred Reed. Motivos arte chinesas Interpretado. Nova York [etc]: GP Putnam. 1915.

Visser, Marinus Willem de. Os Arhats na China e Japão. Berlim: Oesterheld & Co. 1923.

Watanabe, Masako. “Imagery Guanxiu e Exóticos em Pinturas Raken.” Orientações 31, no. 4 (2000): 34-42.

Watters, Thomas. O Lohan Dezoito dos Templos budistas chineses. Xangai: Kelly e Walsh. 1925.

Ligações externas